Este espaço destina-se à construção e estruturação da minha tese de doutoramento.

Uma vez que o tema se centra nos processos de aprendizagem quer em situação presencial (tradicional, face-a-face), quer em ambiente não-presencial (através de uma plataforma electrónica) quer em ambiente "combinado" (blended).
De qualquer modo, nos dias de hoje, seja qual for o espaço de aprendizagem, é inevitável o recurso aos meios electrónicos e digitais, quer seja na preparação de uma aula, quer seja em ambiente de ensino/aprendizagem,...
Para as organizações (escolas incluidas) que prosperam na sociedade da informação, o conceito da Gestão de Conhecimento (GC) tem-se vindo a impor. A GC é uma emergência relativamente recentemente, de enquadramento de cariz interdisciplinar que trabalha várias perspectivas do conhecimento dentro das organizações. Essas perspectivas podem incluir a criação, a codificação e a partilha do conhecimento, promovendo a aprendizagem organizacional e a inovação. Embora o conceito da GC seja relativamente novo, já passou por duas gerações de estratégias. A primeira geração tinha como objectivo o melhoramento do conhecimento compartilhado dentro de organizações e o seu focus era, sobretudo, a tecnologia de informação e de sistemas. Os instrumentos técnicos eram usados para reunir e codificar o conhecimento existente, estabelecendo procedimentos de funcionamento face ao conhecimento colectivo. A segunda geração de estratégias de GC centra-se mais sobre os processos organizacionais e sobre a criação do conhecimento e o seu focus dirige-se para o desenvolvimento de comunidades de prática (CdP), e por sua vez, para o estudo dos processos pelos quais o conhecimento é produzido e disseminado dentro dessas comunidades.
Embora haja muitas definições de CdP, estas são normalmente definidas como “um grupo de profissionais informalmente ligados entre si pela exposição a uma classe comum de problemas, a persecução comum de soluções, e pelo que personifica a fonte do conhecimento” ou como “grupos de pessoas que compartilham um assunto, um conjunto de problemas, ou uma paixão sobre um determinado tópico, e que aprofundam o seu conhecimento e a sua perícia nesta área interagindo numa base contínua”. O termo banalizou-se, e teve a sua origem em teorias baseadas na ideia da aprendizagem como participação social, ou seja, têm por base a Teoria de Aprendizagem Social (TAS).
Wenger propõe a aprendizagem como parte de um processo amplo que coloca os indivíduos como participantes activos nas práticas de comunidades sociais e apresenta componentes que, na sua opinião, são necessários para caracterizar a participação social como processo da aprendizagem, nomeadamente: o significado (a capacidade – individual e colectiva – para experimentar a vida e o mundo com significado); a prática (recursos históricos e sociais compartilhados, enquadramentos e perspectivas que podem assegurar o compromisso mútuo na acção); a comunidade (configurações sociais, nas quais a nossa participação é reconhecida como competência e as organizações são definidas pelo mérito) e a identidade (a aprendizagem modifica quem somos e gera histórias de cariz pessoal na formação do contexto das nossas comunidades).
Quando o autor descreve comunidades de práticas, posiciona intencionalmente este conceito dentro de um enquadramento conceptual mais amplo. Para ele, uma comunidade de prática define-se ao longo de três dimensões que estão relacionadas pela prática. O primeiro componente é o compromisso mútuo. A prática não existe no abstracto, porquanto as CdP gravitam em indivíduos comprometidos em determinadas acções ou ideias comuns. As CdP podem ser formadas por membros de categorias sociais diferentes ou de regiões geográficas diferentes. O segundo componente é a “empresa conjunta”. A importância da empresa conjunta é constantemente renegociada por cada um dos membros. A empresa conjunta vai muito para além dos objectivos estabelecidos, criando responsabilidade mútua entre participantes. O terceiro componente é um repertório compartilhado. O repertório de uma comunidade de prática inclui rotinas, palavras, instrumentos, modos de fazer, histórias, gestos, símbolos, géneros, acções, ou conceitos que a comunidade produziu ou adoptou no decorrer da sua existência.


Mas, a pergunta que neste momento me está a surgir é a seguinte:
- Se o significado, a prática, a comunidade e a identidade, são elementos necessários para caracterizar a participação social, que por sua vez é essencial para o processo de aprendizagem, como delimitar o conceito de CdP? Isto é: poderá uma turma que se inscreveu em determinada disciplina ser considerada uma CdP? Mais, poderemos considerar uma claque de futebol, como uma comunidade de prática? Na verdade, se aplicarmos a uma claque o conceito de CdP a três dimensões referido por Wenger (compromisso mútuo, joint venture e repertório partilhado) não deixa de não o ser. Mas será que o é?

Web 2.0 Tools in Your Classroom